sexta-feira, 28 de novembro de 2008

28/11/2008 - O mundo mudando o mundano.



Acredito que o que estou vivendo agora é reflexo do que está acontecendo com o mundo e e sua sociedade. A escassez de oportunidades para iniciantes recém formados, o aumento da demanda por profissionais mais qualificados, a busca eterna pelo multifuncionalismo, todas essas coisas são reflexo do que está acontecendo no mundo.

Sheldon Alan "Shel" Silverstein, americano nato, poeta, compositor, músico, cartunista e autor de vários livros infantis. Shel Silverstein criou a palavra TESARAC para descrever aqueles períodos da história onde ocorrem mudanças sociais e culturais significativas. Durante a TESARAC a sociedade se torna cada vez mais confusa e caótica, até conseguir se reorganizar. E enquanto isso não acontece, ninguém é capaz de antecipar, com sensibilidade, consistência e precisão, o que virá depois.

Sem saber o que fazer, a primeira coisa que os empresários fazem é cortar os custos. Com este corte de custos, rodam as cabeças que recebem muito e fazem pouco e ficam os que ganham pouco e fazem muito. A partir disso, entramos no eterno dilema: ser especialista em uma coisa ou ser ótimo em várias. A resposta é simples: OS DOIS.

O mercado está demandando profissionais que são não somente especialistas em um determinado tipo de coisa, mas especialista em vários tipos de coisas. O principal objetivo destas empresas é ter um maior aproveitamento de um funcionário por um preço mais em conta. Pra que ter duas cabeças, dois salários, se eu posso pagar 50% deste valor para um funcionário só?

Com isso, a pressão sobre os resultados per capita aumenta, o que acaba gerando um desconforto para o funcionário, diminuindo a qualidade de vida. Quem ganha com isso tudo são as indústrias de anti-depressivos, empresas de entretenimento, a internet e seus fast-services, e claro, as empresas.

Se há como fugir disso? No meu ponto de vista, não. Antes poderia haver o profissional PATO. O pato nada, corre e voa. Mas o pato nada MAL, corre MAL e voa MAL. Ou seja, o profissional que fazia de tudo um pouquinho "quebra-galho", agora está sendo substituído por profissionais que aguentam a pressão, realizam multi-tarefas em tempo hábil, são capacitados e inovam no ambiente de trabalho apresentando propostas significativas para mudanças em processos que reduzam custos ou aumentem a qualidade ou agilidade dos serviços prestados.

Arrisco bolar uma teoria de que o TESARAC está acontecendo agora é dentro de nós: o iTESARAC. As constantes mudanças na tecnologia, na maneira das pessoas se interagirem, na "virtualização" das coisas, pessoas, tarefas. Todas essas mudanças são ações que causam reações abruptas no nosso eu, deixando nossas vidas caóticas e confusas.

As perguntas estão tendo cada vez menos respostas. As oportunidades ficando escassas. As empresas entrando em crise. Essas incertezas, inseguranças e cobranças por algo que chega a ser inatingível causa uma confusão interna e um caos consigo mesmo. Aquilo que o mundo nos pede, não é o que o mundo nos dá. As exigências de várias empresas pelo super-funcionário é um privilégio para poucos, como uma BMW para um membro da classe C. Tem como ser? Tem sim, mas vai ter que suar muito.

Como já dizia Charles Darwin: "Não são os mais fortes e nem os mais inteligentes de uma espécie que sobrevivem, mas os que adaptam e respondem melhor às mudanças". Eu completaria falando que os mais fortes e inteligentes são exatamente mais bem preparados para se adaptarem e responderem melhor às mudanças. SER a pessoa certa é a grande questão. Se não é a pessoa certa, então trate de virar esta pessoa certa. Qual é a pessoa certa? Temos dicas constantes de "pessoas certas", vindas sem dó nem piedade pela sociedade.

O mundo não está errado, nem está caótico, nem está violento, nem nada disso. O mundo está mudando. Como uma criança passa para a adolescência, que passa para a idade adulta, e então a melhor idade. É o mundo mudando o mundano

(P.s.: Tive que fazer essa reflexão depois de ler isso, com a ajuda disso, disso e com a ajuda também das conversas com pessoas pra lá de especiais que também estão sentindo isso na pele)

Um comentário:

Kenji disse...

"tudo muda o tempo todo no mundo" (lulu santos)

mas quanto à dificuldade do recém formado, toda vez em que a taxa de crescimento de um país cai, quem leva mais ferro são os recém-formados

pq o número de recém formados está sempre aumentando, e se a economia não acompanha...